Seja bem-vindo

26 de junho de 2018

Serra da Gardunha - Santuário da Senhora da Penha

Não existe apenas uma lenda, mas esta é a mais famosa e, por isso, a que aqui vem à baila.

Já a ouvi contada de duas formas, numa tendo os romanos como povo invasor, noutra tendo os mouros nesse mesmo papel. É a maleabilidade característica das lendas, que mantêm a essência da narrativa, adaptando-a sazonalmente conforme os contextos históricos. Mas vamos reduzir-nos à segunda versão, sabendo que da primeira para a segunda mudam pouco mais do que nomes.

Um homem nobre de Idanha-a-Velha tinha uma filha de um primeiro casamento. Contudo, depois de viúvo, tornou a casar com nova mulher que, como é frequente acontecer nestes dramas de família, repudiava a filha do seu esposo.

A pequena vivia assim solitária, tendo como único amigo um cão. Mas até o cão era vítima do mau carácter da madrasta.

Durou isto tanto tempo, ainda por cima com os maltratos sempre em crescendo, que a rapariga se fartou e fugiu.

Sem grandes planos, olhou para o cimo de uma serra e decidiu por lá exilar-se na companhia do seu amigo.

Correram em direcção ao topo do monte e por lá encontraram uma cavidade no meio de vários penedos. Decidiram fazer da lapa um abrigo, e por lá pernoitaram.

Na manhã seguinte, a menina sentiu-se acordada por um toque de alguém. Olhou em volta e viu no fundo da lapa uma luz, de onde mais tarde saiu a Senhora. Surpreendeu-se com a aparição e ainda mais com o recado que tinha recebido: ela que voltasse à sua Idanha e avisasse seu pai de que os Mouros aí vinham.

Assim foi feito, e o pai disse ao povo de Idanha que se resguardasse na serra onde a Senhora tinha aparecido, porque os sarracenos estavam à porta e traziam todo o mal com eles.

Os Mouros, chegados a Idanha, nada viram, decidindo depois subir a colina que ali estava ao lado. Foram batidos pelos aldeões que lá se protegeram, estando em posição privilegiada no ataque. E diz-se que Gardunha vem daí, o monte que “guardou” os de “Idanha”.

No sítio onde a Senhora apareceu foi construída uma capela, a Ermida de Nossa Senhora da Serra, cujos vestígios ainda podem ser vistos, na Penha da Serra da Gardunha. A lapa existe, e encontra-se bem lá no alto, para que apenas a veja quem se der a esse esforço.

19 de setembro de 2017

Um olhar sobre o que se passou (...)

Boa noite,
 
Bem sei que tenho estado ausente, por tal facto, as mais sinceras desculpas.
Muitos foram os acontecimentos que ocorreram até então desde o último post mas, é um facto, tal como a maioria de todos nós, temos estado em comunidade noutras redes sociais que nos permitem perceber e entender o que vai acontecendo na nossa aldeia. O que é bom...
 
Se me permitem, por hoje, parece-me por bem postar e agradecer a toda a comunidade Louriçalences mas a outros também que estiveram presentes e permitiram o sucesso de mais um ano festivo em louvor de S. Fiel e Sto António. Muitos rumores receosos foram sentidos quanto à passagem do incêndio mas, o que é verdade, é que tudo correu às melhores maravilhas. Bem-haja aos elementos das Comissão de Festas e a todos outros que permitiram esta continuidade.
 
 
Em segundo lugar, e apesar das perdas, a comunidade de Louriçal do Campo demonstrou-se, por uma vez mais, unida quanto ao flagelo que assombrou a Serra da Gardunha e que, por consequências, alguns dos nossos haveres. Sei que existem opiniões contrárias mas, que me desculpem, "estive lá dentro" a ajudar o que não era "meu" e senti o mesmo pelos outros. Uma vez mais, no meu ver, o carisma de comunidade, esteve presente. Bem-haja.
 


 
Neste contexto, resta-me felicitar o comportamento dos nossos amigos bombeiros e outros que estiveram sempre presentes. Senti, tal como muitos outros anónimos, as labaredas a passar entre as pernas e graças a eles, estamos cá para lhes dar o devido reconhecimento pelos amigos que foram. Bem-haja por uma vez mais....
 
... Começaram as vindimas... Algumas já feitas e estamos na altura de recolher o bagaço das uvas para a fermentação... Àgua ardente para licores e dissabores ....
 
Iremos tentar recuperar o tempo "perdido".
 
Bem-haja,
Carlos Domingues

23 de janeiro de 2017

S. Sebastião, um festejo genuíno....

Celebrou-se no passado fim-de-semana, na nossa aldeia de Louriçal do Campo, mais uma festividade, desta vez, em honra de S. Sebastião. Onde foram distribuídos ao povo e outros que de uma forma acolhedora foram recebidos, filhós, tremoços e vinho. Um agradecimento, muito especial, aos elementos da organização que se oferendaram permitindo, assim, dar seguimento a uma tradição que remota ao século XV. Mas também, a todos os que, de uma forma directa ou indirecta, com a sua ajuda generosa, permitiram a realização de tais festejos.






 Um bem haja a todos.

xxcucoxx

23 de dezembro de 2016

Votos de boas festas....


Simplesmente, a todos os amigos, simpatizantes e visitantes deste blog, votos de boas festas na comunhão das vossas famílias. Estes são os votos da administração deste blog.

xxcucoxx