Seja bem-vindo

8 de setembro de 2012

Setembro chegou - A "caça" ao taralhão promete



O taralhão

Estamos em Setembro e os taralhões chegaram.

O taralhão é uma pequena ave migratória oriunda do norte de África que nos visita todos os anos por esta altura. É de porte idêntico ao vulgar pardal mas menos agitada que este.

A sua chegada é confundida com a partida das andorinhas que, após da sua pro criação, regressam aos ares de Africanos.
“No final do verão quando os taralhões que vinham do norte de África para a Europa, e se cruzavam nos céus com as andorinhas em sentido contrário, os taralhões diziam:

- Eh, andorinhas putas, foram poucas e vieram muitas.

E as andorinhas responderam:

- E vocês, taralhões loucos que vão muitos e virão poucos.”

Devendo-se ao facto dos taralhões serem caçados e as andorinhas não. As andorinhas são umas aves quase domésticas, fazem criação, são pequenas, por isso não têm que comer, enquanto o taralhão é maiorzito e normalmente gordo, logo, depois de depenado e frito, dá um óptimo petisco.

Com o advento dos primeiros chuviscos de Setembro, os formigueiros agitam-se e as formigas de asa (agúdias) saem para fora. Em paralelo, com o amadurecer do milho, os canudos deste cereal ficam suculentos onde se desenvolvem alguns “carneiros” (vermes) brancos.

A agúdia

Eis que criadas as condições ideais de base à alimentação dos taralhões.

Mediante tal conjuntura, começa então a caçada a este pássaro sazonal.

A caçada começa a ser preparada na tarde do dia anterior com a recolha da bicharada (já referida) que servirá de isco aos ditos mas também à limpeza dos costis. Nestes, são testadas as molas que, por vezes, têm de ser oleadas com um fio de azeite. As articulações em arame também são revistas a fim de facilitar o “tchiquelho” do costil.

O costil

Eis que a manhã do dia derradeiro chega. A alvorada tem de ser dada bem cedo para que os costis sejam armados antes que os pássaros acordarem e se movimentem à procura do seu alimento matinal.

Antes de armar os ditos, é necessário escolher os melhores “pichos” (lugares onde será provável o pouso habitual dos pássaros). Escolhidos os mesmos, chega a hora da armação.

São preparados então os “armadouros” (local terreno onde são colocados os costis). Num montinho de terra, com uma inclinação tal que fosse bem visível do alto dos ramos das árvores escolhidas como “pichos” mas cobertos com uma leve camada de terra movida de novo, com a formiga de asas ou carneiro, bem vigorosos, a mexer na ponta do araminho que prende a mola; e é vê-los em voo picado precipitarem-se, directamente do ramo para o costil, de onde só saíam, obviamente, para as mãos do “caçador”.

O armadouro

Normalmente a caçada leva a manhã toda. A volta aos costis armados é sempre muito importante. Pois se lá caiu um taralhão, deveremos preparar de imediato nova caçada nesse local e através do mesmo engenho, retirando essa “baixa” e colocar novo isco.

Acabada a manhã, o que tinha de “cair”, já caiu. Pela hora de mais calor, os pássaros eixam de ser mais activos e por isso, a probabilidade de os caçar, é menor.

Está na altura de levantar os costis. Entretanto, são horas de almoço.

Chegados a casa, contam-se os pássaros caçados. Nesta altura, a maioria são taralhões. Se bem que alguns piscos também são apanhados.

Após depenados, e preparados devidamente com um dente de alho e azeite, são fritos e assim, a acompanhar, se bebe um copito daquele que faz rir.

xxcucoxx

5 comentários:

aluap disse...

Na minha terra as formigas com asas chamamos de agúdes e usa-se os custilos como o da imagem do fundo para apanhar os tralhões. Este foi armado com um grão de milho, por um avô, somente para mostrar aos netos como estas armadilhas de pássaros deixaram boas recordações e marcaram a sua infância.
Recordar é Viver!
Mas escrevia eu há 1 ano que a velocidade galopante da vida moderna faz-nos esquecer o quanto a passarada fazia companhia ao lavrador, assim como à garotada, que se entretinha em descobrir ninhos ou a caçá-los à fisga ou ao custilo.

Anónimo disse...

Para a semana que vem vou estar no Louriçal e vou tentar apanhar uns taralhões, pois ainda tenho por lá alguns costis. É só ir à procura dos bichos nas canas do milho e armar os costis logo de madrugada. Espero fazer umas petiscadas de passarinhos.
Abraços
JB

xx cuco xx disse...

Amigo Breia. Votos de boa caçada mas e guarda-os para o petisco entre amigos.

Abraço

xxcucoxx

Anónimo disse...

so.queria.1.euro.por.taralhao.que.cacei

Paulo Belo disse...

Desde criança que gosto de apreciar a natureza e aprender com ela. Os meus amigos dedicavam-se às praticas descritas neste post e por isso poderia compreender o que faziam. Sem querer de algum modo ofender, pois também sou susceptível dos meus instintos, julgo que estas práticas satisfazem o prazer primitivo da caça e não correspondem a nenhuma necessidade alimentar.
Mas se conhecer-mos um pouco da natureza começamos a admirá-la, e ficaremos incapazes de matar ou destruir "gratuitamente", apenas porque nos dá prazer.
Gostava apenas de vos pedir que tentassem "olhar", "aprender" e "compreender" a natureza.
E já agora convém não esquecer que estes actos são ilegais... e sobre a ave apresentada neste post, ela não vem do norte de África. Ela está de passagem migratória. Vem da Europa e vai para África, tal como as andorinhas. Pesquisem sobre o Papa-moscas-preto (Ficedula hypoleuca).
Abraços,
Paulo Belo